CASA DESORGANIZADA PODE SINALIZAR SOFRIMENTOS EMOCIONAIS

9/04/2021

Imagem destaque

Pessoas desorganizadas nem sempre são descuidadas ou desinteressadas, pois em muitos casos pode ser indícios de sofrimentos psíquicos, tais como depressão e ansiedade que compromete a qualidade de vida dessas pessoas.  O ambiente em que vivemos, ou seja, nossa casa reflete o estado mental de quem nela reside, porque, a desordem atrapalha os afazeres, gerando um ciclo vicioso relacionado a transtornos mentais, doenças cardiovasculares, problemas respiratórios, obesidade, entre outras.

Um estudo realizado na Austrália mostrou que ambiente desordenado provoca estresse e favorece o descontrole alimentar, verificou-se que mulheres em cozinhas bagunçadas comiam duas vezes mais do que as que ficaram em uns ambientes mais organizados. No entanto, há quem considere um espaço devidamente organizado e limpo sem graça e isso é mais comum do que se possa imaginar. Mas, por quê? O Quais são as possíveis causas escondidas na bagunça?

Ser desorganizado não indica necessariamente problemas emocionais

Ser desorganizado não indica necessariamente problemas emocionais, mas há questões importantes a se considerar a cerca de sua saúde mental. Pois há casos em que você está sobrecarregada de trabalhos, ou pode ter filhos pequenos onde nem sempre consegue arrumar a casa na mesma proporção que bagunça ocorre. Há também quem diga se organizar em sua própria bagunça. Freud é um exemplo disso: “não limpem a bagunça. Eu sei exatamente onde tudo está”, referindo-se a sua mesa entulhada de arquivos.

Como também em muitos casos, quase que em sua maioria, pode estar ligada necessariamente a uma condição psiquiátrica, cujas causas podem ser por perdas, sentimentos de menos valia, baixa autoestima, decepções, abusos, traumas, etc., e a bagunça serve como uma barreira inconsciente de proteção ao seu emocional , e em decorrência disso podem, desenvolver TOC, que são pessoas excessivamente preocupadas com a limpeza e organização dos espaços e a desordem pode desencadear quadros intensos de ansiedade, depressão, tristeza e sentimentos de impotência e/ou incompetência. Muitas pessoas até dizem que querem se organizar, mas não se movem nessa direção, pode estar embutido ai o medo da mudança. Porque mudar requer correr riscos, é ir rumo ao desconhecido, mesmo que saibam que o resultado final é positivo e satisfatório. Mas o medo as impede de dar passos. Outras até, costumam acumular objetos a ponto de não conseguirem se organizar, pois se perdem na desordem do acumulo. Resultando numa pilha de entulhos em todo espaço da moradia o que torna impossível viver com qualidade no local, ocasionando quadros de transtornos psicológicos, e com isso a pessoa pode até se acostumar com a bagunça e não ver mais como um problema e muito menos ver a necessidade de organizar.

Acredito que você já tenha ouvido o a seguinte expressão: “ ambiente desorganizado, mente e interior de desorganizado”. Sinto dizer, mas a expressão é verdadeira, pois quando começamos a organizar as coisas, arrumamos também nossa mente e conduzimos nossos sentimentos  e pensamentos a uma gradativa organização interna, porém o ritmo como que você faz essa organização depende de sua personalidade, mas o que importa é que organizar traz perseverança, tranqüilidade e decisão para administrarmos as bagunças internas e tomarmos atitudes a partir da organização que realizamos. Assim, a desordem requer organização, mas tudo que é excessivo, sem prazer, torna-se prisão, enfadonho, estressante  ou leva a protelar a organização.

No entanto, o mais relevante nisso tudo é atentar para as causas da bagunça, verificar se sempre foi assim, ou descobrir o que causa sofrimento só de pensar em organizar, ou se em meio a sua bagunça se organiza, assim como checar se a desorganização não está sendo uma tentativa da pessoa se organizar. Mas, se a bagunça traz um sentimento ruim é essencial dedicar uma atenção, pois pode haver um problema emocional subjacente, que se reflete em suas ações, ou seja, um disfarce para dor.

Num outro estudo realizado nos Estados Unidos a expressão “Não repare a bagunça”, quando somos pegas de surpresa com a casa em desordem, foi à razão do estudo. Os pesquisadores decidiram prestar atenção na bagunça das casas e concluíram que um ambiente muito caótico, especialmente, devido a acumulo excessivo de objetos tem o poder de prejudicar outros aspectos da vida da pessoa como sua sensação de bem estar e sua vida social.

Joseph Ferrari doutor em psicologia e um dos pesquisadores, afirma que à medida que a desordem cresce, exige mais atenção. Tudo o que importa para a pessoa, ela sente como se fosse forcada a eliminar de sua vida. Então, deixa de ver os amigos, de ver sua família, não trabalha tanto, evita situações de convívio sociais com amigos, pois a desordem e o acumulo, podem ganhar prioridade sobre seus relacionamentos.

Neste contexto o psiquiatra Murilo Lobato destaca que, se você está com a sua mente desorganizada, ela refletirá em um ambiente desorganizado. “Ao fazer vínculo com o objeto, a pessoa demonstra carência, uma espécie de amor perdido”. E Quando não tem mais o amor de alguém muito significativo, um presente ou até um papel da bala desse alguém passa a ter um valor inestimável e um apego excessivo, não querendo se desfizer do mesmo.

Desta forma, podemos considerar que casa sempre foi associada a abrigo, proteção aconchego, mas quando ela não se mostra acolhedora pode causar efeitos desastrosos na vida de seus membros. Portanto é, importante saber diferenciar a casa bagunçada, por falta de tempo, de desorganização (por se dizer organizar-se na bagunça), ou por indiferença; preguiça, de possíveis transtornos psicológicos que afetam sua vida

Rosemeire Martins Psicóloga Mestre em ciência da saúde